22 de setembro de 2012

Igreja de São Francisco de Assis em Diamantina

Este livro, publicado pelo IPHAN a partir do Programa Monumenta, traz um relato rico em imagens e descrições não só do processo de restauro da Igreja de São Francisco de Assis de Diamantina, como também um importante material de estudo sobre artistas setessentistas que trabalharam na região dos diamantes. O trabalho resgata toda a vida da igreja desde a decisão dos irmãos da Ordem em erguer um templo próprio, passando por inúmeras reformas, até o ano de 2009, quando a igreja foi cuidadosamente restaurada. Durante esse trabalho, além de problemas estruturais corrigidos, se descobriu maravilhosas pinturas escondidas, durante cerda de 110 anos, por trás de repinturas realizadas anteriormente, sem qualquer preocupação histórica. O livro traz ainda, um valorozo estudo da sociedade da época do Ciclo do Ouro e revela como a religiosidade norteava a vida de moradores das mais variadas classes. Enfim, um material de pesquisa histórica de valor incalculável.

 Igreja de São Francisco de Assis em Diamantina
Selma Melo Miranda - 330 páginas - IPHAN

15 de setembro de 2012

A Guerra no Ártico

Um registro histórico de um capítulo pouco divulgado sobre a Segunda Guerra Mundial, a luta travada entre aliados e alemães no mar gelado do Ártico. Após minuciosa pesquisa e muitas entrevistas com sobreviventes, Georges Blond foi capaz de narrar com clareza de fatos, nomes e datas, a luta dos aliados para levar até os portos russos, comboios marítimos carregados de armamentos, provisões e até veículos de guerra. Como se não bastasse as dificuldades de navegação em lugar tão inóspito, os aliados tiveram de enfrentar navios, aviões e submarinos alemães decididos a impedir a passagem dos comboios. O autor optou por uma narrativa simples e direta, sem romancear os fatos e, apesar da falta de diálogo, a leitura fluiu bem e possibilitou reviver boa parte da história narrada.

A Guerra no Ártico
Georges Blond - 257 páginas - Flamboyant

Inconfidências Mineiras

Inconfidências Mineiras traz, não um livro de história com fatos narrados de forma didática, mas sim, a história aprendida no colégio escrita de forma a dar vida e voz às personagens. O romance-histórico gira em torno de Bárbara Heliodora, esposa do inconfidente Alvarenga Peixoto e seu envolvimento com esse momento histórico tão importante do nosso passado.  O livro, baseado em estudos históricos, é ficcionalmente narrado por Iria Claudiana, irmã de Bárbara Heliodora, de quem a autora é descendente direta. Ao reconstituir a vida de uma das poucas mulheres envolvidas na Inconfidência Mineira, a autora nos leva a uma viagem pelos usos e costumes da sociedade mineira durante o período da decadência do ouro e os planos de sonho de liberdade. Sem dúvida uma leitura rica e prazeirosa capaz de despertar o interesse por nossa história.

 Inconfidencias Mineiras
Sonia Sant'Anna - 132 páginas - Jorge Zahar

26 de agosto de 2012

Paris no Século XX

Apesar de não ter sido um de seus últimos livros, Verne se mostra extremamente pessimista ao mostrar uma Paris cem anos à frente do seu tempo onde apenas as máquinas e as ciências são valorizadas e mesmo, permitidas. O livro pode não ter a mesma força que os clássicos "Volta ao Mundo em 80 dias" ou "Viagem ao centro da Terra", mas ainda assim se percebe a visão futurista do autor, uma das caracteristica marcante de sua obra, mas achei o enredo em si, fraco e os personagens vazios, praticamente, apáticos tal qual seria toda Paris do século XX como ele propuzera. Não senti amor ou fulgor suficiente nos personagens ditos insatisfeitos com a falta das artes, da literatura e dos romances. Outro ponto que merece destaque é o excesso de personalidades comuns à literatura francesa, o que por vezes torna o texto cansativo para quem não é familializado com tais personalidades. Aos ainda não iniciados na obra de Verne, Paris no século XX pode não ser a melhor opção, mas pode ser interesante para aqueles que já conhecem o universo visionário do autor.

Saiba mais sobre...  Paris no século XX
Julio Verne - 225 páginas - Ática

17 de agosto de 2012

A Longa Jornada

A ideia pode até parecer infantil, um bando de coelhinhos se vêm forçados a fugir de suas tocas pela ação invasora de homens. Mas o que poderia ser apenas uma linda história com criaturinhas dóceis e peludinhas se revela uma trama de sobrevivência onde essas criaturinhas pensam, se comunicão e agem, mas não de forma lúdica. Tudo é narrado do ponto de vista dos coelhos selvagens em relação à sua realidade diante do homem e demais predadores. Ao presentir um grande perigo alguns coelhos decidem empreender longa viagem em busca de um lugar seguro para construírem uma nova coelheira, mas nada será fácil para esses pequeninos que têm na natureza inimigos de todos os tipos, inclusive dentro da própria raça. A primeira parte da jornada é cumprida, porém eles têm uma outra preocupação, não há fêmea na nova coelheira e é necessário consegui-las para que a coelheira tenha sequencia. Começa então uma segunda jornada até uma coelheira distante comandada por um coelho digamos, ditador e o que se segue é uma sequencia de sangrentas batalhas onde a inteligencia e a força são armas poderosas utilizadas pelos dois lados. O livro é tão bem escrito e articulado que eu poderia escrever outro livro apenas falando sobre ele. Enfim, a Longa Jornada é um daqueles livros capazes de nos transformar em personagens e nos fazer sentir, agir e pensar como tal. Sem falar que traz um dos meus temas preferidos a "sobrevivência" e animais com os quais tenho extrema empatia.

Já estou sentindo saudades de Aveleira, Cinco-Folhas, Manda-Chuva, Prata, Amora-Preta, Panelinha de Barro, Espinheiro Cerval, Dente-de-Leão, Bolota, Verônica ... e até mesmo do General Vulnerária.

Saiba mais sobre... A Longa Jornada
Richard Adams - 432 páginas - Nova Fronteira

15 de agosto de 2012

Menino de Engenho

Ao contar a história de Carlinhos, um menino que perde a mãe assassinada pelo pai aos 4 anos de idade, José Lins do Rego nos transporta para a vida em um engenho de açúcar no nordeste brasileiro. Por sua narrativa crescemos junto de Carlinhos, vagando pelo pasto, tomando banho de rio, descobrindo os medos, as dores, os prazeres e as alegrias de uma vida maracada, não só pelo drama vivido pelo garoto, mas principalmente pela vida nova que se abre com sua ida para o engenho do avó. Uma leitura agradável, envolvente e capaz de muitas vezes nos remeter à nossa própria infância.

Saiba Mais sobre... Menino de Engenho

Os Velhos Marinheiros ou O Capitão de Longo Curso

Em uma pequena e pacata vila costeira da Bahia a chegada do Capitão Vasco Moscoso de Aragão levanta os ânimos dos velhos moradores e enche de ciumes aqueles que se ressentem com o grande prestigio alcançado pelo forasteiro. Ostentando o título de Capitão de Longo Curso, Vasco se torna a principal figura da localidade com a narração de suas aventuras pelos quatro mares. Porém, Chico Pacheco, um dos moradores vê, no velho capitão, um embuste e tenta de todas as formas provar que seu título nada significa e que tal capitão nunca pisou em um navio. No desenrolar da história, Jorge Amado nos leva em uma verdadeira viagem pelo cotidiano do povo bahiano como é tão característicos de sua obra. Entre verdades e mentiras, vamos conhecendo o passado do velho capitão até que próximo à pequena vila de Periperi o destino coloca a prova seu título de capitão ao ser convocado para assumir o comando de um navio que segue para Belém após a morte de seu capitão. É a prova de fogo para revelar a questão, Vasco Moscoso é realmente um homem do mar ou apenas um malandro cheio de histórias? O final? Ah, esse merece ser lido, o que posso dizer é que não há como não se envolver com figura tão cativante. 

Saiba Mais sobre... Os Velhos Marinheiros ou O Capitão de Longo Curso
Jorge Amado - 243 páginas - Record

13 de julho de 2012

Luiza-Homem

Li Luiza-Homem sem nenhuma preocupação em encontrar traços do romantismo, naturalismo ou qualquer outra classificação literária, li Luiza me deixando levar pelo cenário, pela seca, pela simplicidade dos habitantes de Sobral no Ceará e foi por isso que achei o livro extremamente envolvente. Domingos Olímpio cria em seu livro um triângulo amoroso entre a jovem Luiza-Homem, apelido recebido desde pequena por ter sido criada na lida bruta como se fosse homem; Alexandre, o jovem simples e trabalhador apaixonado por Luiza; e Crapiúna, soldado cruel que vê em Luiza não um amor, mas um desafio para seu poder de conquista e sedução. Em em meio a esse triângulo o amadurecimento de Luiza como mulher, o sofrimento de Alexandre preso acusado por um crime que não cometeu e todo o ódio de Crapiúna, homem vingativo que não mede consequencias para conseguir o que quer. Mas diferende do que se espera, não é Luiza realmente a heroína que salva o moço injustiçado, mas sim Terezinha, jovem largada no mundo que demostra que grandeza não se mede pela riqueza, por títulos ou patentes. Apesar do final não ter sido o que desejava, o autor faz de seus personagens mais do que marcantes, ele cria personagens inesquecíveis.

A Profecia

A história já era minha velha conhecida através de filmes, porém o livro ainda era algo que merecia atenção, afinal, dificilmente uma obra adaptada para a telona consegue superar a obra escrita. Apesar de o antigo filme ter me parecido bem fiel ao livro, a leitura foi capaz de atiçar minha imaginação e mesmo, ainda nos dias de hoje, despertar meus instintos que por vários momentos se colocaram em alerta. A atmosfera do livro é tão ou mais sombria que o filme e imaginar cenas como o ataque dos cães no cemitério ou o desespero do Robert Thorn para certificar-se de que seu filho realmente era o anti-cristo foram capazes de me fazer mergulhar tão intensamente na leitura que qualquer movimento em deredor poderia se tornar assustador. Um clássico do terror capaz de atravessar o tempo e manter o suspense mesmo para quem já conhece a história.

21 de junho de 2012

Cérebro

Martin Philips, um neuro-radiologia de um grande hospital trabalha com um amigo em um programa de computador capaz de revolucionar a radiologia, porém para testar a confiabilidade do programa, Martin pede que novas chapas sejam feitas do cérebro de uma paciente que foi operada com sintomas que podem indicar um estado inicial de esclerose múltipla. Mas a paciente morre na mesa de cirurgia e Martin decide tirar as chapas assim mesmo mas constata que o cérebro da paciente desapareceu. Sem perceber, o radiologista se vê envolvido em uma trama complexa onde jovens mulheres após se consultarem na clínica ginecológica do hospital simplesmente desaparecem. Com muito suspense, ação e um final surpeendente, Cérebro é um daqueles livros onde experimentos científicos e vidas humanas são levados ao extremo.

Coma

Ao se envolver emocionalmente com um paciente em seu primeiro dia em um grande hospital, Susan, uma estudante de medicina, acaba obcecada em descobrir porque jovens saudáveis entram em coma durante a realização de simples cirurgias. A partir de suas primeiras descobertas reais de que algo está errado, Susan se vê envolvida em uma trama onde vidas humanas são negociadas como se fossem apenas mercadorias. Coma é um daqueles livros que podem te prender do início ao fim ou ser abandonado nos primeiros capítulos, tudo vai depender da identificação do leitor com a ideia de trazer para a literatura a medicina em forma da suspense.

28 de abril de 2012

Agora sim, Meu Cantinho está como eu queria

Até que enfim nada mais encaixotado ou empilhado de qualquer jeito, muito menos perdido entre as muitas caixas. Essa semana a outra estante ficou pronta e hoje pude ficar por conta da organização.
Quinta-feira a terceira estante começa a tomar forma.

Hoje, sábado, depois dos últimos acabamentos é hora de começar a definir o lugar de cada um.

Após muito muda e desmuda, consegui dividir bem e ainda sobrou alguns espaços. Que bom, tem muita coisa que ainda quero ver por aqui.

Tentei dar um panorama geral mais a mesa do computador me impediu, mas dá para ter uma ideia de como ficou com as 3 estantes.

26 de abril de 2012

O Assassinato do Conto Policial

Descobrir quem seria o responsável pelo assassinato do gênero policial na literatura, essa era a missão do jovem repórter Ivo Cotoxó. Porém, durante as investigações do que seria apenas uma brincadeira, alguém envolvido com a literatura policial é realmente assassinado. Seguindo como principal pista a vida da própria vítima, a ficção e a realidade se cruzam e se transformam em apenas um caminho e Ivo se vê envolvido com um caso de vingança. Claro que por ter sido escrito a mais de 20 anos é preciso ler a história com pequenas resalvas pois até então computadores e celulares não faziam parte do nosso cotidiano. Mas para quem gosta do gênero ou ainda está se iniciando no instigante mundo dos romances policiais o livro é uma boa leitura, além de uma forma divertida de vivenciar uma época totalmente transformada pelas novas tecnologias.

Eu, Claudius, Imperador

Roma era uma sociedade decadente quando Claudius fora proclamado imperador. De forma biográfica, Claudius decide deixar por escrito a história da própria família. Esclarece fatos históricos como assassinatos, degredos, infâmias, delações, uniões políticas e todo o tipo de artifício usado por seus antecessores (Caligula, Tiberius e Augusto) para adquirirem ou se manterem no poder. Revela ainda, como sua avó Livia, uma mulher cruel e temida, teve importante papel político e poder suficiente para manipular desde seu casamento com o imperador Augusto até fazer de seu filho Tiberio, a quem odiava, o novo imperador. Através de muitos fatos históricos, o autor nos apresenta um império governado por pessoas sedentas de poder ao ponto de se proclamarem "deuses" mesmo que, para isso, fosse preciso matar cruelmente quem se opusesse ou simplesmente cruzassem o caminho. É justamente essa sociedade desumana, vil e prostituída que o autor narra pela visão do próprio Claudius. 

14 de abril de 2012

Meus "preciosos" de casa nova

Depois de uma tarde e noite tentando organizar meus livritos nas novas estantes, me sinto feliz e realizada. Sei que ainda vou mexer e remexer muito nessa primeira arrumação, até que títulos, autores e temas fiquem como quero, mas depois de tanto tempo sem vê-los assim, alinhadinhos, livres de caixas ou improvisações, tudo parece perfeito. Mas também cheguei a uma conclusão, meu espaço já está pequeno para eles, rrrssss. É que ainda tenho várias caixas para abrir e só mais uma estante a ser preenchida. O problema é que nesse tempo em que eles ficaram encaixotados, não me dei conta de como eles se multiplicaram desde a última vez em que os vi nas antigas estante. No próximo final de semana a outra estante deve ficar pronta e vamos ver no que vai dar.
Agatha começa a ocupar os primeiros lugares.
Julio Verne também aparece para garantir seu espaço, assim como a velha e boa coleção Vaga-Lume da minha adolescência.
Pouco espaço ainda a ser preenchido e muito a desencaixotar, ai, ai...

12 de abril de 2012

Finalmente Meu Caminho do jeito que sonhei

É, depois de um bom tempo pesquisando preço, material, disponibilidade de mão de obra e qualidade, finalmente estou conseguindo finalizar as estantes do Meu Cantinho. O material escolhido foi a velha e boa madeira, mais durável, mais bonita e com encaixe perfeito entre meus tijolinhos.
Para garantir que a madeira não encolha depois de serrada na medida desejada, essa aí está secando desde novembro passado
Depois de serrada e defindas as distâncias de cada prateleiras, a estante começa a tomar forma.
Quase pronta, mal posso esperar para colocar aí meus "preciosos".

23 de março de 2012

Setor 27 - Ameaça Nuclear

O livro traz o retorno de Fernando e Gabrielli ao perigo, mas desta vez a ameaça é muito maior que na aventura anterior quando se envolveram pela primeira vez com o Setor 27, uma organização secreta do governo responsável por manter em segurança segredos que podem abalar o país. Com o Setor prestes a ser extinto, um de seus principais homens, o Coronel Castro, afim de conseguir meios financeiros para manter o Setor independente, decide negociar com terroristas russos uma ogiva nuclear desenvolvida em segredo pelo governo brasileiro. Com a crise dentro do próprio Setor, o Major Alencar tem que contar com a ajuda do advogado Fernando e da historiadora Gabrielli para desvendarem as pistas deixadas pelo Dr. Montenegro e localizar a ogiva antes que o Coronel a encontre. Em meio a muita adrenalina, o autor nos envolve novamente em um misto de fatos e lugares reais com uma imaginação capaz de ligar pontas onde elas parecem totalmente diversas. Tendo Brasília, Goiânia e o Porto de Santos como principais cenários, Setor 27 - Ameaça Nuclear é envolvente até a última página, onde o autor mistura fatos históricos como acidente com o Césio-137 em Goiânia e um possível atentado contra chefes de Estado.

4 de março de 2012

o Imprecador

Uma grande multinacional situada na França tem suas estruturas abaladas quando uma combinação de fatos provoca as reações mais diversas em seus diretores. Uma grande rachadura na estrutura física do prédio é descoberta no dia em que um de seus diretores morre em um acidente de automóvel e uma carta com conteúdo subversivo é enviada a todos os funcionários. É o que basta para que a estrutura administrativa e moral da empresa se torne frágil ao ponto de novas cartas levarem seus principais diretores ao subsolo da empresa, onde acreditá-se estar a solução do mistério. Um livro cujo tema me pareceu atraente e interessante, mas de enredo por vezes moroso e sem uma dinâmica que desse mais empolgação ao livro.

4 de fevereiro de 2012

Outra volta do Parafuso

Este é acima de tudo, um livro que lhe permite uma interpretação própria. Duas crianças, uma governanta, uma empregada viva e dois mortos. O enredo começa de forma instigante, a leitura de manuscritos de uma história "real" vivida na juventude da narradora. O diferencial é que o que parece ser "real" para a governanta, pode não passar de terror imaginário. A leitura é por vezes morosa, mas a expectativa em relação às apararições faz com que os capítulos sejam vencidos sem grandes dificuldades. O autor nos leva a questionamentos sobre a inocência das crianças, a complacencia da empregada e a sanidade da governanta. A ambientação é fantástica, cheguei a sentir o cheiro da casa e o frio da água do lago. O resultado de tudo isso, é um livro de terror muito bem escrito, que te deixa numa constante expectativa sobre a verdade sobre as aparições dos fantasmas dos dois antigos empregados mortos em circunstâncias não explicadas. Para ser lido com a mente aberta e o espítito alerta.

Ágape

Este é um livro que senti a necessidade de avaliar de 3 pontos de vistas: pelo tema, pelo autor e pelo conteúdo. O tema é maravilhoso, Ágape, o amor incondicional, por isso a base do livro são trechos do Evangelho do Apóstolo João, aquele que mais falou sobre o "amor" dentre todos os apóstolos. Sobre o autor, esperava um pouco mais, fiquei com a sensação de que Padre Marcelo fez um apanhado de sermões dominicais e encadernou. Não vi em sua dissertação, nada que troxesse profunda reflexão ou um novo ponto de vista, mas com certeza para quem não tem o "hábito" de frequentar as celebrações dominicais, trará muita luz sobre leituras que nos dias atuais, acabam por se perderem. E por último o que posso dizer do conteúdo é que foi muito bem escolhido, tanto as passagens do Evangelho, quanto os exemplos de personalidades como Madre Teresa de Calcutá e Irmã Dulce, que foram capazas de uma entrega tão grande ao próximo justamente por acreditarem e saberem viver o amor em toda a sua plenitude. Uma leitura agradável, mesmo sem grandes revelações ou grande aprofundamento.

A Câmara de Gás

Um livro em que a história se desenrolar em pouco mais de 30 dias, mas se prolonga como se durasse bem mais. Isso se deve à grande quantidade de detalhes jurídicos, frutos de um intenso trabalho de pesquisa do autor para que vivênciassemos junto ao acusado e seu advogado, cada minuto da luta pela anulação de uma sentença de morte. Mesmo contendo muitos detalhes, o texto não se torna morno ou cansativo pois o autor cita leis e procedimentos de forma que, mesmo sem qualquer conhecimento jurídico, possamos acompanhar o desenrolar do caso. Sam Caythall, conhecido membro do Ku-Klux-Klan é condenado à morte 13 anos depois de ser considerado inocente nos 2 julgamentos anteriores. Quando se vê finalmente às portas da morte, seu neto, o jovem advogado Adam Hall, entra em cena em uma desesperada luta para salvar o avô. Mas essa luta revela não só fatos obscuros da vida do avó, mas todo um drama de uma família quase maldita, o que faz com que ente em contradição sobre o que acredita sobre culpa, punição e justiça. Apesar de ser apenas uma ficção, John Grisham faz com que sintamos toda a angustia que ronda o "corredor da morte" e nos faz pensar o tempo todo, sobre o "direito" à vida, mostrando o lado das vítimas, da lei, e do condenado. O final pode ou não agradar o leitor, mas independente disso, lhe fará refletir sobre questões como direitos, leis, crueldade, respeito e fé.